Aviso: Voltamos Envie seu Conto estamos aguardando, recupere sua senha caso ja foi cadastrado antes !
Já está liberada a área de Cadastro de contos. Cadastre-se e evie-nos o seu conto

INSANA FRATERNIDADE ─ EPISÓDIO 02

─ Tá quente mesmo, mano... ─ Por que isso?

─ Acho que é da idade,... ─ tô sentindo umas coisas... ─ As vezes sá passa depois de massagear ele. ─ E continuei:

─ Mas já fiz e num tô conseguindo, mana,... ─ Faz nele pra mim...



Por alguns instantes, ela me olhou nos olhos como se dissesse “Não...”, mas eu ainda fingindo dor, dizia “Sim, por favor...”. Ela, que dado à confiança e amor por mim, somadas à possibilidade de ser algo realmente sério ou doloroso, apás essa breve dinâmica do olhar, acabou por ceder:



─ Tá... T-tudo bem... Eu faço em você... Como eu seguro nele?

─ Assim... ─ E a ensinei como segurar meu pau. Que delícia; sua mãozinha não se fechava em volta da minha pirocona. Isso me deixou tão excitado, que dizia coisas:

─ Isso,... Assim,... Vai Lana,... Agora massageia ele,...



Aquilo simplesmente estava me levando à loucura... Não gozei na hora, e estava resistindo, pois já havia batido três punhetas naquele dia; todas para ela. Seus olhos ainda fixos na minha tora, a tratava com muito carinho. Então eu disse:



─ Faz com as duas mãos, Lana...



Ela, sem levantar a cabeça, ajeitou-se e de forma submissa, com ambas as mãos, ─ uma acima da outra, continuou a 'massagem'. Meu pau sobrava muito nas duas mãozinhas dela. E relaxando um pouco o semblante, então disse:



─ Nossa...

─ Que foi?

─ Como você chama ele?

─ Ah... ─ De pau, ou piroca..., caralho,... ─ Mas por quê?

─ Ui..., o seu é tão grande, que até com as duas mãos ainda sobrou, á... ─ Credo... ─ e ajeitando ele nas mãos, continuou: ─ grande e grossão...

─ Hummm, Mano... Cê sabe o tamanho dele?

─ Ele tem uns 23 cm...

─ Nusss..., é do tamanho do meu braço,... olha... ─ mostrando-me na verdade o seu ante-braço; e pegando meu pau pela cabeçona inchada, o esticou comparando com o seu práprio bracinho. Ela estava certa: era mais ou menos do mesmo tamanho, e bem mais grosso que o pulso dela. E repetiu: ─ Credo...



─ Por que você diz “credo”? ─ Você já viu algum?

─ Uma vez eu vi o vídeo que você esconde debaixo da cama... Aquele que o homi pega a mulhé a força no mato...



Pensei comigo: “Mas que putinha...” ─ “Tão novinha e já interessada em fuder...” Mas antes que pensasse mais qualquer coisa, ela completou:



─ Mas o do homi num era assim não,... desse tamanhão...



Fiquei mais excitado ainda: ela já havia me comparado com o cara do vídeo pornô e constatara que eu era melhor; que meu pau era bem maior, e mais grosso. Nesse ponto, ela havia tornado-se bem falante, e continuou:



─ Mano, o seu parece com o do cavalo lá da roça, lembra...?

─ Lembro do que ele fez com aquela éguinha... Cê viu?

─ Nossa, é mesmo,... Parecia que ia acabar com ela...



E ela fazendo um paralelo, emendou:



─ No filme a mulhé gritava,... ─ acho que era porque ele fazia rapidão nela,... fazia até barulho... ─ Mas o do homi era muito menor que o seu, e bem mais fino...



Era mesmo uma delícia: ela toda pensativa a respeito e com aquele ar de tesãozinho ─, mesmo sem saber (eu creio) direito o que estava sentindo ─. Mesmo porque, e também acredito nisso, sequer parou para pensar no que sentia; apenas sentia, e com certeza, estava adorando segurar o pauzão do irmão.



─ Hummm... Posso te perguntar uma coisa, Mano?

─ Ahn... Claro... Lana...

─ Cê já cumeu alguma minina?



A pergunta e a carinha dela (de menininha realmente querendo saber se eu já tinha metido em alguém) ─ estavam me levando à insanidade, completa e sem fronteiras, mas tinha de responder; e de fato, apenas a verdade:



─ Ainda não... Tipo... Ano passado, tinha uma mina que eu ficava... e, bem...

─ Que houve?

─ Hum, tipo... A gente meio que ia, sabe?

─ E?

─ Na hora, ela..., hum..., num quis naum...



Minha expressão, mesmo ainda de cacete duro, era de desanimo, imagino. Era a verdade. Estava tudo certo: eu ia comer mesmo a menina; ela era mais velha e bem safadinha na cidade... Mas na hora que ela abaixou minha bermuda, já de joelhos pra mamar, ela levou a mão na boca e levantou de olho arregalado, mas tapando um sorrisinho... Nada disse; apenas saiu e me deixou de pau na mão.

Na época, nada entendi, a não ser que ela rira de mim... Do meu pau, mais exatamente. E isso me deixou mal pra caramba, diminuído. Como era mais novo, sequer saquei que a cachorrinha tinha era medrado do tamanho, por isso saiu fora de entrar embaixo de mim.

Sá de pensar no que ela devia estar imaginando com todo esse processo, meu pau latejava. E ela sentindo toda a potência do meu cacete, disse alarmada, mas mais como uma expressão solta:



─ Inda bem que cê num pego nenhuma minina... Tah doido...

─ Acho que nem mulhé mais velha te guenta nela...

─ Porque cê tah falando isso?

─ Tava pensando no filme... Na mulhé...

─ Se você faz igual ele, acho que o seu matava ela...



Quase gozei com isso: ela falava essas coisas enquanto me punhetava, deliciosamente, bem devagar e com as duas mãozinhas. Decidi falar mais para me distrair, e aproveitar mais.



─ Essas mulhé são tudo puta, Lana... ─ Elas guentam...

─ Poxa mano,... Mas a dela parecia com a minha,...

─ Num era grandona, não... ─ E também era meio lisinha...



Respirei fundo nessa hora: ela acabara de me descrever, quase que precisamente, a bucetinha deliciosa que ela tinha no meio das pernas. E disse num raciocínio:



─ Num sei não, mas... acho que eu inda num guentava com o cara do filme não...



E finalizou enfaticamente:



─ Quem dirá com o seu,... Ó o tamanhão disso!



Disse isso voltando o olhar para ele, e socando com uma das mãos até o talo, sobrando mais de uma de suas mãos para socar, como se quisesse me mostrar algo que eu ainda não tinha visto. Com isso, agora eu o sabia: ela realmente havia se colocado na 'posição' de uma mulher, e melhor, ─ imaginara o que eu faria com ela se a comesse. Ela estava analisando, e bem, a situação:



─ A tia Nana disse pra mãe uma vez que a perereca dela cabe mais ou menos uns 19 cm...



E, matematicamente, disse:



─ Se o seu mede 25... Nela, cê já ia machucá muito...

─ Imagina isso tudo... na minha pererequinha... Uiii...



E tirando uma das mãos do meu pirú inchado, pressionou a barriguinha práximo a chaninha, como se fosse sentir muita dor. E completou:



─ Nusss... Num ia nem a metade dele nela!



Senti que ia gozar naquela hora! Mas respirei fundo e me controlei como nunca antes tinha conseguido. Queria que aquilo durasse por toda a eternidade, e ao mesmo tempo queria gozar como um louco. Então, para que pudesse conciliar ambos os desejos, decidi que seguraria o máximo, para então, explodir como um vulcão. E ela emendou:



─ E a grossura...? Nááá..., num ia entrá nem a ponta dele nela...

─ Hummm, é mesmo... E cumé que cê chama essa pontona dele?



Eu, tentando bravamente me conter, apenas murmurei: “Chama: cabeça do pau...”



─ Puxa, a sua é inchadassa... Credo... Num cabe na minha mão naum, á...



E rapidamente, por uns três segundos, segurou com a palma da mãozinha a cabeçona de jegue; e soltando disse balançando a cabeça:



─ Vai nela naum... Tah doido..., me arregaçava todinha...

─ Ela é muito fechadinha... Uma vez tentei... Num passa nem o dedo...



Ela continuava a me descrever a prápria rosinha de menininha. Isso tava me acabando... Mas era delicioso. E quando ela continuava, sentia a cada instante que já estava por derrubar ela na cama e comê-la violentamente, como um animal feroz. Mas precisava me conter. Me conter muito. E ela seguia... Novamente com ambas as mãos agarradas no meu pau, deu uma leve apertada. Num risinho disse:



─ E esse troção então... Neim... Rs...

VISITE NOSSOS PARCEIROS

SELEÇÃO DE CONTOS


Online porn video at mobile phone


contos putinha caralhudo corno chupacontos eróticos com marido tratado me estupandomeu irmao dotad me arrombou contosContos de Puta que pra ela so dava rolao cavalocontoseroticos comi mana no natalcontos eroticos gay velho barbeiroconto erotico masculino mamando um desxonhecidoscontos de cú de irmà da igrejaPorno tentei dar meu cu depois de casado contoscalma aí bota devagarconto erotico amassos na escolaconto dei dorminucontos eróticos professora com garotinhosviadinho levando pirocada no cuzinho contos eroticoscontos eroticos meninas drogadas pelos paisdei sonifero pra minha avò e transei com elacontos eroticos a mulher do engenheiro e o servente virgemgay chavecano para trans o da baladacontos eróticos de bebados e drogados gayscontos de cú de irmà da igrejaconto virei menina gozeicontos que gozada ela deuconto minha cunhada me surpreendeuAmante de coxas grossa e bundao contosporno contos eroticos comeu priminha inocente nas feriasrose tapa na cara contos eroticoseu minha amiga e meu namorado contos eroticoscontos heroticos - brincando de pique escondeCadê acabou comendo cunhado cadê aquela vezlevei minha mulher pro cara mais pauzudo comer na minha frenteporno conto erotico novinhacontos eroticos arronbaro e enfiarao tres paus de uma so ves na minha esposa na minha frente e ela adoroutia de saia safada contof****** a b******** da minha enteada Camila e ela Gozou muito no meu pauwww.xconto.com/encestovaselina conto héterodei pra um estranho num baile e meu marido viu conto eroticoConto muito picante de casal brancos bisexual so adoram foder negroserotismo na zoofilia cachorro lambedor de pauconto erotico filha mamae me ensinou a ser putinha parte 2contos eroticos com mini saiaconto sozinho com minha sogracontis eroticos peguei minha esposa enfiando a buceta na cabeceira da camaTennis zelenograd contoviciei em dar o cu e virei transcontos erótico comi minha amiga qusndo fui estudarcontos eroticos pratiquei zoofilia porke meu marido me deixo na vontadecontos eu meu tio e minha tiacontos eroticos fui estuprada no matagalsexo com renata crentinhacontos-gays fui arrombado por um bombeiro no motelcontos de esposa quer outra pica peguei carona com caminhoneiro conto sexoconto erotico meu professor me encoxou para senti seu pauConto podolatria gay o chulé do loirocontos eroticos descobri que era gay e não sabia parte5contos eroticos com sogro e sograComto pego em fraganteconto erotico minha vizinha fode com o marido e pra me procarcontos de coroa com novinhocontos eroticos gay fui enrrabado apanhei e gosei com um desconhecidocoroas enfieins pornocontos lesbicos mae adotivaMeu+irmão+arrombou+meu+cu+a+força+conto+eroticocontos mamei a rola do veicontos meu pai me seduziucontos eróticos minha mãe no esconde escondeFotos de mulher mexendi na buceta na cissameu cunhado contos de casadascontos de meninas que adoram ser estrupadas por todos dà casaconto policial comeu.minha mulhercontos erotico trepei com meu padrasto ver fotosnegao arrombando cuzinho casados caladinhosmulher goza gostoso loucamente delirantegaviao do progama malucos molhado pelado de rola duraContos na pescaria com tios e amigos me fazen d bixinha delesporno gay contos eróticos pegando priminho inocenteDormindo ao lado da cumhada x vconto erotico encesto.meu pequeno entiado mim comendo enquanto eu dormiaconto erotico gay fui no baile funk e dei o cu pro travestinovinha que queira trocar msg e gozar muitohttp://contos eroticos mulher pega carona e estrupadaentida da o bucetao para o padrastoO amigo dele me comeu contoswww.contoseroticos .com.br confossoesver treis mulle fazendo travesti cozacontos os sequestradores fizeram comer minha mae para comerraparam minha buceta a força contos.contos eroticos tia suruba com sobrinhosminhaxaninhaardeuconto erotico viadinho de shortinho e calcinha no witioContos eróticos de bebados gaysconto erótico mulheres teve coragem sexo cavalosPornofamiliacontosContos eroticos de podolatria com fotos desejando chupar pes de primasdelicia narrada busetaobucetas carnudas grandes beicos casadas cornoscontoseroticos cavermaSou casada fodida conto